segunda-feira, 6 de outubro de 2008

CINE EMOIR : O GIGANTE DE AZULEJO

- CINE EMOIR : O GIGANTE DE AZULEJO
- 60 ANOS DE HISTÓRIA-
(JOSESSANDRO ANDRADE)



INICIALMENTE CHAMOU-SE CINE-TEATRO CENTRAL, FUNDADO POR JOÃO PIRES, EMPRESÁRIO PROGRESSISTA, ANTENADO A MODERNIDADE E BASTANTE EMPREENDEDOR.SÓ DEPOIS, COM A AQUISIÇÃO DO GRUPO MORAIS, QAUE JÁ POSSUÍA O CINE BANDEIRANTES, EM ARCOVERDE E OUTROS EMPRENDIMENTOS COMANDADOS PELOS IRMÃOS MORAIS JONAS,OTACÍLIO E EPAMINONDAS) O CINE EMOIR-CUJA SIGLA SIGNIFICAVA EPAMINONDAS MORAIS E IRMÃOS- TEM SUA ORIGEM EM 1948, COM O FILME “ O CORAÇÃO DE UMA CIDADE”.
O EPÍTETO “O GIGANTE DE AZULEJO”, OU “GIGANTE AZULEJADO”, SURGIU POR PARTE DOS LOCUTORES, QUE FAZIAM A PROPAGANDA DOS FILMES NO SERVIÇO DE AUTO-FALANTES, HAJA VISTO QUE O PRÉDIO DO CINE EMOIR ERA TODO COBERTO DE AZULEJO, COM DETALHES AZUIS. CLÁSSICOS E POPULARES, DOS FILMES EXIBIDOS NO CINE EMOIR, PODEMOS CITAR : E O VENTO LEVOU, O CORCUNDA DE NOUTRADAME, OS CANHÕES DE NAVARONE, AS MIL E UMA NOITES, ROMEU E JULIETA, QUO VADIS,ALI BABÁ E OS QUARENTA LADRÕES, TARZAN,FASCINAÇÃO, SANSÃO E DALILA, A BANDEIRA, OS DEZ MANDAMENTOS, PAIXÃO DE CRISTO, ENTRE TANTOS OUTROS.
A DIVULGAÇÃO ERA FEITA PELAS DIFUSORAS DO SERVIÇO DE AUTO –FALANTE , QUE SE LOCALIZAVAM NO PRIMEIRO ANDAR DO PRÉDIO, EM UMA CABINE, COM DIVISÓRIA DE MADEIRA, QUE A SEPARAVA DA SALA DE PROJEÇÃO , FEITA DE ALVENARIA.UMA LEITURA DOS RESUMOS DOS FILMES, ENVIADOS PELAS DISTRIBUIDORAS, ERA O MAIS COMUM, MAS ALGUNS ARRISCAVAM A PRODUZIR RESENHAS E ATÉ CRITICAS SOBRE AS OBRAS CINEMATOGRÁFICAS.
MAS NA ÂNSIA DE CRESCER O SEU FATURAMENTO E OFERECER UMA MAIOR VARIEDADE DE ATRAÇÕES CULTURAIS O CINE TEATRO EMOIR LANÇOU MÃO DE OUTRAS ATIVIDADES ARTÍSTICAS:SHOWS MUSICAIS COM ARTISTAS FAMOSOS , PROGRAMAS DE AUDITÓRIO COM ARTISTAS DA TERRA E ESPETACULOS TEATRAIS.
GRANDES ARTISTAS NACIONAIS BRILHARAM NO PALCO DO CINE EMOIR ,CANTANDO E EMOCIONANDO VERDADEIRAS MULTIDÕES. LUIZ GONZAGA,ARI LOBO, AUGUSTO CALHEIROS, WALDICK SORIANO, TRIO IRAKTAN, AUTEMAR DUTRA, ROBERTO MILLER, MARINEZ E SUA GENTE, ZÉ RIBEIRO, JOSÉ AUGUSTO, MAURÍCIO REIS.UMA CENA ANTOLÓGICA FOI PROTAGONIZADA POR AUTEMAR DUTRA. AO SE APRESENTAR PELA SEGUNDA VEZ, NA HORA H,O MICROFONE COMEÇOU A APRESENTAR DEFEITO. TENTOU CORRIGIR , MAS ELE INSISTIA EM FALHAR. O GRANDE MENESTREL, COLOCOU –O DE LADO E CANTOU SEM MICROFONE, COM SUA VOZ POTENTE E BELA E PELA ACÚSTICA DO CINEMA, O EFEITO FOI BELÍSSIMO PARA OS PRESENTES QUE APLAUDIRAM E DELIRAVAM, COM OS CLÁSSICOS DO CANCIONEIRO DA SERESTA.
HAVIAM TAMBÉM DURANTE ALGUNS DOMINGOS, MOVIMENTADOS SHOWS DE VARIEDADES, ONDE PONTIFICAVAM SHOWS DE CALOUROS , APRESENTAÇÕES DE MÁGICA COM EROTIDES (VOVÔ ERÓ), G.V.G.O.(PERGUNTAS E RESPOSTAS E DESAFIOS NO MELHOR ESTILO CIRCENSE.A PLATÉIA ANIMADA ESCOLHIA E CRIAVA ATÉ BORDÕES PARA SEREM GRITADOS EM CORO OU CANTADOS.
O TEATRO DA CIDADE FUNCIONOU ATRAVÉS DAS ENCENAÇÕES DO GRUPO “GRÊMIO TEATRAL ARTUR AZEVEDO”, COM WALDEMAR CORDEIRO, MONSENHOR URBANO DE CARVALHO, LIU PINHEIRO, VITERBO CORREIA, LUIZ DODÔ, FLORISA, FRANCISQUINHO(COMO MÚSICO).UMA DAS PEÇAS DE SUCESSO NA ÉPOCA ERA O DRAMA”ERRO JUDICIÁRIO”, DE AUTORIA DE MONSENHOR URBANO. O CINE–TEATRO EMOIR LOTAVA PARA APRESENTAÇÕES QUE MOSTRAVAM TODA A GARRA E A DISPOSIÇÃO DOS ENTÃO JOVENS EM DRIBLAR A DIFICULDADES.

FUNCIONÁRIO DA CHESF APOSENTADO JOÃO TRAJANO QUE VIVEU COM INTENSIDADE AQUELE PERÍODO NOS DESCREVE COM DETALHES:”O PRÉDIO DO CINE EMOIR LOCALIZA-SE NA PRAÇA JOÃO VALE , ANTIGA PRAÇA MARTINS JUNIOR.TEM SUA FRENTE PARA O PÔR –DO- SOL, E A LATERAL DIREITA VOLTADA PARA A PRAÇA PRINCIPAL, QUE SOFREU ALTERAÇÕES.NA ANTIGA CONSTRUÇÃO CENTRALIZAVA A PRAÇA, GRANDE CORETO EM FORMATO CIRCULAR, COM PILARES, ORNADO DE PRIMAVERAS VERMELHAS CHAMADAS DE BURGAVILHAS. FECHANDO O PERÍMETRO, LARGA CALÇADA ONDE JOVENS E MOCINHAS DA ÉPOCA PASSEAVAM , DANDO VOLTAS E VOLTAS”. ALÍ SURGIAM PAQUERAS, QUE MAIS TARDE , APÓS CERTO PROTOCOLO FAMILIAR, PODERIAM PRODUZIR NAMOROS E EM ALGUNS CASOS CULMINAR ATÉ EM CASAMENTOS.MUITOS CASAIS IAM AO CINEMA PARA ASSISTIR FILMES.
OUTROS COMEÇARAM A NAMORAR APÓS UM CONVITE PARA IR AO CINEMA.MUITOS DEVEM SUA FORMAÇÃO CULTURAL AO QUE ALÍ VIRAM,O QUE MARCOU A INFÃNCIA E A ADOLESCÊNCIA DE MUITA GENTE.
ORLANDO RAMOS,QUE TRABALHOU NO SERVIÇO DE AUTO FALANTE DO CINE EMOIR NOS DÁ O SEU DEPOIMENTO SOBRE AQUELE TEMPO.”Bons tempos...participei ativamente de tudo aquilo.Nas noites de domingo era o point mais importante da cidade.Havia sempre um filme especial, escolhido a dedo, pelo Gerente Sr . Olavo. Normalmente eram duas sessões, aquela primeira que era frequentada por poucas pessoas, naquele tempo já havia um distinção de classes , pois na segunda sessão vinha a elite da cidade.Com o amigo Gilberto Carvalho, fui locutor do serviço de alto falantes que divulgava os filmes do dia e fazia a publicidade de alguns anunciantes, aos domingos não havia nenhum tipo de publicidade, isto era observado com rigor . A minha primeira namorada conheci naquela casa. Belos tempos ,belos dias...”

NA INTERNET, HÁ UMA COMUNIDADE NO SITE DE RELACIONAMENTOS ORKUT, CHAMADA “EU CONHECI O CINE EMOIR”, ONDE COLHEMOS OUTRA DECLARAÇÃO QUE REVELA TODA A NOSTALGIA QUE AQUELA EXPERIÊNCIA SOCIAL DEIXOU NA ALMA COLETIVA DA CIDADE.:”Aiiii gente!Jamais esquecerei nossas matinées e "pré-estreias" no cine Emoir. Era demais. AlguÉm chegou a experimentar do puxa-puxa de Donha Tonha?E o passeio e a paquera na praça? era bom demais! Pena que a praça foi destruída e agora é tão feinha! Tiraramm o que ela tinha de mais bonito, os canteiros com floreS e o enorme coreto com burganvilles, onde brincamos tanto de pega! ...”
HAVIA ATÉ ESPAÇO PARA O FOLCLORE COM A NARRATIVA DE NILSON , HOJE MORADOR DE BRASÍLIA-DF, QUE CONFESSA SEU RECEIO AO ASSISTIR OS FILMES
E SAIR TARDE DA NOITE.”ASSISTI MUITOS FILMES DE TEIXEIRINHA NA MINHA INFÂNCIA, TINHA O MAIOR MEDO DE SAIR TARDE DO CINE EMOIR, PELO FATO DE BOATAREM QUE NA PRAÇA JOÃO VALE ERA UM ANTIGO CEMITÉRIO.DAVA CALAFRIOS”, DENUNCIA ENTRE RISOS O SERTANIENSE.
PELO FATO DE NÃO HAVER TELEVISÃO, O CINEMA ERA PRATICAMENTE A DIVERSÃO POPULAR MAIS PROCURADA.ASSIM REVELA MARGARIDA SANTANA, RADICADA EM SÃO PAULO HÁ CERCA DE TRINTA ANOS.”ERA CINEMA TODO DIA, NÃO HAVIA MUITAS OPÇÕES,. NOSSA COMO PASSEEI NAQUELA PRAÇA, COM MINHAS AMIGAS. ÉRAMOS FELIZES E NÃO SABÍAMOS.”OUTRA QUE EXPRESSA TODA SUA SAUDADE É ANDREA MAYER,RESIDENTE NO RECIFE. FILHA DA PROFESSORA LINDA MAYER, QUE TRABALHOU NA ESCOLA OLAVO BILAC
E HOJE MORA EM TRIUNFO.”MEU PRIMEIRO BEIJO FOI NO CINE EMOIR. DÓI SABER QUE ELE NÃO EXISTE MAIS”.
A MAGIA TELÚRICA DO CINE EMOIR NÃO MEXE APENAS COM OS SAUDOSISTAS QUE VIVERAM O SEU APANÁGIO.JOVENS DAS GERAÇÕES ATUAIS TAMBÉM SE SENBILIZAM COM O QUE O CINE EMOIR REPRESENTOU ELBA RAVANE,QUE FOI MILITANTE ESTUDANTIL,ATRIZ DE TEATRO LOCAL , E ATUALMENTE É ACADÊMICA DE DIREITO EM CARUARU-PE É UMA VOZ QUE VERBALIZA DE FORMA CONTENDENTE ESTE PENSAMENTO.”NÃO SOU DAQUELA ÉPOCA, MAS ACHO UMA PENA QUE AQUELE ESPAÇO NÃO SEJA USADO PARA ALGUMA ATIVIDADE CULTURAL, ESPERO UM DIA AINDA VER AQUELE ESPAÇO SENDO UTILIZADO PARA ALGO QUE ENRIQUEÇA CULTURALMENTE A SOCIEDADE”. AFIRMA ELBA RAVANE. JÁ ÍCARO EMANUEL, TAMBÉM ACADÊMICO DE DIRETO NA BAHIA,CANTOR E POETA, FILHO DO SAUDOSO MANUEL BARROS, EX-JUIZ DE DIRETO,QUE MOROU VIZINHO AO PRÉDIO DO CINE EMOIR JÁ FECHADO,É MAIS INCISIVO AINDA:”NÃO SOU DESSE TEMPO...MAS COMO DIZIAM QUE O CINE EMOIR ERA O MÁXIMO DAQUELA ÉPOCA!HOJE É ALUGADO PRÁ UMA SEITA CHAMADA IURD.QUE NÃO TRAZ NENHUM DIVERTIMENTO PRÁ CIDADE...DEVE-SE CRIAR UMA POLÍTICA PÚBLICA DE RESTAURAÇÃO DO PATRIMÔNIO SERTANIENSE.”,DESTACA.

DIFUSORA EMOIR

“ ESTAMOS AGORA NA CABINE DO SAFE-SERVIÇO DE AUTO- FALANTES EMOIR, PRIMEIRO ANDAR DO PRÉDIO DO CINE EMOIR.,TRANSMITINDO PARA TODA A CIDADE , EM 10 DE MAIO DE 1961. EM SERTÂNIA SÃO PONTUALMENTE 11 HORAS.NESTE HORÁRIO, PASSAMOS A APRESENTAR POSTAL SONORO.”
ASSIM PODEMOS RELEMBRAR O LOCUTOR JOÃO TRAJANO PERFUMANDO A MEMÓRIA DOS SERTANIENSES NOSTÁLGICOS COM A DIFUSORA DO CINE EMOIR. ELE NOS CONTA QUE
LÁ PELOS ANOS DE 1961, COM A CHEGADA DA ENERGIA ELÉTRICA DE PAULO AFONSO , ATRAVÉS DA CHESF, OS HORÁRIOS DA DIFUSORA PASSARAM A SER OS SEGUINTES: DE 10 HORAS A 12 HORAS , VESPERAL,DE 16 AS 18 HORAS , MATUTINO, DE 18;45 AS 19:30 HORAS.
O SAFE-SERVIÇOS DE AUTO –FALANTES EMOIR FOI GERADO PARA DIVULGAR A PROGRAMAÇÃO E AS ATIVIDADES DO CINE EMOIR. COM O TEMPO GANHOU VIDA PRÓPRIA.PASSOU DEPOIS A SER CONHECIDO COMO DIFUSORA DO CINEMA E MAIS TARDE DIFUSORA EMOIR E ATÉ DIFUSORA DE OLAVO, NUMA REFERÊNCIA A OLAVO SIQUEIRA,O ETERNO GERENTE DA CASA.COM INÚMEROS AUTO-FALANTES ESTRATEGICAMENTE COLOCADOS NA RUA DR. MANOEL BORBA, AVENIDA AGAMENON MAGALHÃES , AVENIDA PRESIDENTE VARGAS,RUA VELHA,VILA DOS MOTORISTAS, ENTRE OUTROS PONTOS, LIGADOS POR
MILHARES DE METROS DE FIO E ALIMENTADOS POR AMPLIFICADORES DE 250 WATS DE POTÊNCIA.
ERA UMA ÉPOCA EM QUE PARA SER LOCUTOR NECESSITAVA NÃO APENAS TER BOA VOZ, MAS EMPOSTAÇÃO DIFERENTE PARA INTERPRETAR O QUE CADA TEXTO EXIGIA, SABER REDINGIR O BÁSICO E IMPRIMIR UM ESTILO PESSOAL PARA SEU TRABALHO.BRILHARAM NOS MICROFONES DA DIFUSORA EMOIR,GRANDES COMUNICADORES SERTANIENSES: GILBERTO CARVALHO, MAIS TARDE FOI DARÁDIOCLUBE DE PERNAMBUCO,EDSON LIMA,POSTERIOR-
MENTE FORA RADIALISTA NA RÁDIO RELÓGIO DO RECIFE, SEBASTIÃO REMÍGIO, DEPOIS RADIALISTA EM PONTE NOVA, MINAS GERAIS, GERALDO MELO, LOGO APÓS TRABLHOU NA RÁDIO CULTURA DE CARUARU,ORLANDO RAMOS,JOÃO TRAJANO, NITA LAET, FERNANDO MORAIS, DJALMA,JOSÉ NEVES(CEBOLINHA),JOÃO AMARO, DÁRIO BARBOSA, ENTRE TANTOS OUTROS.JOÃO TRAJANO AFIRMA QUE SEBASTIÃO REMIGÍO ERA LOCUTOR DE VOZ REGULAR, MAS UM MAGOADOR DE CORAÇÕES DAS GAROTAS E ATÉ DAS QUARENTONAS.“ERA SEBASTIÃO PR´AQUI, SEBASTIÃO PR´ACOLÁ”, ENTREGA JOÃO. ORLANDO RAMOS FALAVA RÁPIDO E SORRIA QUANDO ESTAVA FALANDO. E TRAJANO CONFESSA : “FOI ORLANDO QUE ME ENSINOU COMO ADQUIRIR BOA DICÇÃO, COM FALAR BEM A ORAÇÃO DA AVA-MARIA E COMO FAZER BOA PROPAGANDA DAS CASA COMERCIAIS”.
AS PRINCIPAIS CASAS DE NEGÓCIOS QUE ANUNCIAVAM PRODUTOS E PREÇOS NA DIFUSORA EMOIR ERAM:CASAS IMPÉRIO, DE JOÃO PIRES, CASA PIRES, DE JAIME PIRES,ARNALDO BERNADINO COM COMÉRCIO DE FOGÕES A GÁS E UMA ESCOLA DE DATILOGRAFIA,DR. HORÁCIO MARTINS, DENTISTA,O SR. CÍCERO LACERDA, COM COMÉRCIO DE GASOLINA E ÓLEOS LUBRIFICANTES, TAMBÉM O POSTO TEXACO, O SR. ADOLFO TENÓRIO, COM LOJA DE TECIDOS, CASA GLOBO,SORVETERIA CRISTAL, E A POUCOS METROS DA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA A PANIFICADORA PÉROLA, DE ARLINDO BARBOSA RAMOS (DUCA) E A MERCEARIA DO SR. SEBASTIÃO FERREIRA.FAZIAM AINDA SÍNTESES E CRÍTICAS DOS FILMES A SEREM EXIBIDOS,TEXTOS SOBRE NOTÍCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS, ONDE PONTIFICAVAM A VOZ DE FERNANDO MORAES E ARTIGOS DE PAULO DE LOURA E DO PROFESSOR ARLINDO FERREIRA.ANUNCIAVAM TAMBÉM FESTAS DO AMÉRICA E. C, JOGOS DE FUTEBOL NO CAMPO DO AMÉRICA,HAVIA TAMBÉM SERVIÇOS EXTRAS: ALVORADAS, NOTAS DE FALECIMENTO, CONVITES DE MISSA,ANIVERSÁRIOS, RECADOS DO CORAÇÃO.”ESSA GRAVAÇÃO VAI DE JOSÉ JÚLIO DO NASCIMENTO, OPERADOR DO CINE EMOIR,COMO PROVA DE AMOR E CARINHO, PARA UM ALGUÉM EM UMA CERTA PARTE DA CIDADE”. HAVERIA ALGO MAIS POÉTICO DO QUE ISTO?

PESSOAL ADMINISTRATIVO DO CINE EMOIR


A PARTIR DA COMPRA DO PRÉDIO EPAMINONDAS MORAIS PASSOU A SER DONO DO CINEMA.DADO AS LIDES POLÍTICAS E EMPRESARIAS, PONTIFICOU DURANTE MUITOS ANOS NO PODER MUNICIPAL.TINHA COMO GERENTE DA EMPRESA EMOIR,PRIMEIROO SEU SOBRINHO ARLINDO FERREIRA, HOMEM INTELIGENTE,EDUCADO E PACIENTE, QUE POR SUCEDÊ-LO NA POLÍTICA , SENDO TAMBÉM PREFEITO,ACABOU PASSANDO O CARGO PARA O CUNHADO
DE EPAMINONDAS, SR. OLAVO SIQUEIRA, HOMEM FECHADO, MAS CORRETO, QUE FICAVA SEMPRE A PORTA DE ENTRADA DO PRÉDIO. PARA ENTRAR PRECISAVA-SE PASSAR POR ELE.COM OPERADORES DE PROJETOR PODEMOS LEMBRAR NOZINHO, HOJE DONO DE OFICINA MECÂNICA, ZEZO, MOTORISTA DA PREFEITURA E LULA GAZETEIRO, JÁ FALECIDO. COMO ZELADOR, EXPEDITO QUE ERA CONHECIDO COMO “EXPEDITO DO CINEMA”, AO FALECER DEIXOU TAL HERANÇA PARA SEU FILHO “ROBERTO DO CINEMA”. UMA FAMÍLIA CRIADA DENTRO DO CINE EMOIR.

ALÍ FERNADO PATRIOTA , AINDA JOVEM TRABALHOU COM BILHETEIRO.MAIS TARDE PROFESSOR, COM DOUTORADO EM HISTÓRIA PELA USP, EM SUAS OBRAS PUBLICADAS, COMO O ROMANCE “ACONTECEU NO BECO LIBERDADE” E NA DE ENSAIOS ”SERTÃO DE BARAÚNAS E PALAVRAS”., HÁ A PRESENÇA DO CINE EMOIR. MORREU MUITO JOVEM (ASSIM COMO SEU TIO , PAULO DE LOURA , LOCUTOR DA DIFUSORA, NUM ACIDENTE DE CARRO), SEM REALIZAR O SEU MAIOR SONHO, QUE ERA O DE TRANSFORMAR O GIGANTE DE AZULEJO NUM ESPAÇO CULTURAL.

UM POUCO DE FOLCLORE –FATOS PITORESCOS


EROTIDES, O VOVÔ ERÓ ASSISTIRA UM FILME,NUM CINEMA DO RECIFE, ONDE A ATRIZ PRINCIPAL, BRIGITE, SUBIA OS DEGRAUS DE UMA ESCADA DE AVIÃO E VIRAVA-SE PARA TRÁS , PARA ACENAR.DETALHISTA VOVÓ ERÓ CONTOU QUANTOS DEGRAUS ELA HAVIA SUBIDO.

AO CHEGAR EM SERTÂNIA, POUCO TEMPO DEPOIS O MESMO FILME ENTRA EM CARTAZ NO CINE EMOIR. NA NOITE DE ESTRÉIA, CINÉFILO CONHECIDO QUE ERA , LÁ ESTAVA VOVÓ ERÓ PARA ASSITIR A PÉLÍCULA.NA HORA DA CITADA CENA, ELE LEVANTA DA CADEIRA E ESPERANDO PELA CONTAGEM DOS DEGRAUS QUE A ATRIZ SUBIA, GRITA EM TODA ALTURA:
“BRIGITE!!!”.COMO JÁ ESTAVA GRAVADO NO FILME, ELA SE VIRA E ACENA...FAZENDO
COM QUEM O PÚBLICO DESSE O MAIOR LEVANTE , INDO A LOUCURA...

***

ESTUDANTES,LIDERADOS POR ZÉ ANDRADE E OS IRMÃOS BELO,JOAQUIM(QUINCAS), EMANUEL(MANINHO), ANTÔNIO, TODOS DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ESCOLA OLAVO BILAC, FIZERAM UMA GREVE PARA QUE SR.OLAVO, GERENTE DO CINE EMOIR, ACEITASSE APRESENTAÇÃO DA CARTEIRA DE ESTUDANTE PARA PAGAMENTO DA MEIA-ENTRADA.

COM ELA MOSTROU-SE IRREDUTÍVEL, OS JOVENS ESTUDANTES PICHARAM OS MUROS COM PALAVRAS DE ORDEM E ORGANIZARAM A GREVE., QUE OBTEVE ADESÃO TOTAL DA CLASSE ESTUDANTIL.COMO NÃO RESTAVA-LHE OUTRA ALTERNATIVA, OLAVO ACABOU RECUANDO E ACEITANDO AS REIVINDICAÇÕES DA JUVENTUDE.

ACREDITA-SE QUE ESTE EPISÓDIO CONTRIBUIU PARA QUE OS MESMOS FOSSEM TACHADOS DE “AGITADORES”, PELOS SETORES CONSERVADORES DA SOCIEDADE, SENDO PRESOS E PERSEGUIDOS QUANDO DO GOLPE MILITAR DE 1964.


CINE EMOIR: O SONHO DE UM ESPAÇO CULTURAL


EXISTEM SERTANIENSES QUE SONHAM EM GANHAR NA LOTERIA PARA REALIZAR UM SONHO DE VÁRIAS GERAÇÕES: TRANSFORMAR O CINE EMOIR NUM ESPAÇO CULTURAL.
A SOCIEDADE SERTANIENSE TOMOU CONSCIÊNCIA DA IMPORTÂNCIA DO CINE EMOIR E DA NECESSIDADE DE SEU RESGATE PARA FUNCIONAR NÃO APENAS COMO CINEMA, MAS TAMBÉM COMO UM ESPAÇO CULTURAL QUE ABRIGASSE ESPETÁCULOS, SHOWS MUSICAIS, CANTORIAS DE VIOLA, OFICINAS, PALESTRAS, SEMINÁRIOS, EXPOSIÇÕES.
POR CONTA DISSO EM 1998, ARTISTAS, GRUPOS CULTURAIS E FOLCLÓRICOS, ENTIDADES ESTUDANTIS, SINDICATOS, PARTIDOS POLÍTICOS, ARTISTAS E PRODUTORES CULTURAIS SE UNIRAM NUM MOVIMENTO S.O.S. CINE EMOIR, QUE CONSTOU DAS SEGUINTES AÇÕES:

1- AMPLO ABAIXO –ASSINADO ,COM MILHARES DE ASSINATURAS, SOLICITANDO AOS
GOVERNOS FEDERAL ESTADUAL E MUNICIPAL, QUE DESENVOLVESSEM ESFORÇOS , NO SENTIDO NO SENTIDO DE IMPLANTAR UM CENTRO CULTURALNO CINE EMOIR.

2 – PUBLICAÇÃO DE UM DOCUMENTO, A CARTA-PROGRAMA “SOS-CINE EMOIR-SERTÂNIA
DE UM ESPAÇO CULTURAL”, PUBLICADA NO JORNAL “FOLHA DO SERTÃO”, CONTENDO
OS POSTULADOS E OBJETIVOS DO MOVIMENTO E CONVOCANDO A COMUNIDADE
PARA PARTICIPAR DESTA LUTA IMPORTANTE.

3- REALIZAÇÃO DE UMA PASSEATA DE REIVINDICAÇÃO ÁS AUTORIDADES COMPETENTES,
PERCORRENDO AS PRINCIPAIS RUAS DA CIDADE E CONTENDO A PARTICIPAÇÃO DE JOVENS ESTUDANTES.

4- ORGANIZAÇÃO DE UM ATO PÚBLICO COM PRONUNCIAMENTOS DE REPRESENTANTES DE ARTISTAS, GRUPOS E ENTIDADES DO MOVIMENTO, ALÉM DE APRESENTAÇÕES;



CINEMA MUDO
(Alberto Oliveira.)
-AO CINE EMOIR-

Fantasmas de velhos filmes
Rondam cinemas abandonados,
nas cidades do interior...
Aventuram-se ás vezes
até as esquinas e praças
e lançam olhares mortais
sobre reais personagens
que vagueiam sem rumo


QUEM FOI FERNANDO PATRIOTA

(FOTO)
FERNANDO BARROS PATRIOTA NASCEU EM SERTÂNIA, NO ANO DE 1957, FILHO DE CLÓVIS PATRIOTA E YEDA BARROS.VIVEU A INFÂNCIA EM CAROALINA E NA RUA BENJAMIN EM SERTÂNIA, NO CENTRO DE SUA TERRA NATAL.
ADOLESCENTE,ESTUDOU NO COLÉGIO OLAVO BILAC ETRABALHOU COMO BILHETEIRO NO CINE EMOIR.APROVADO NO VESTIBULAR DE ENGENHARIA CIVIL NA UFPE-UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, MAIS TARDETROCOU ESTE CURSO
POR LICENCIATURA, ONDE FEZ PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADO.DOUTOR EM HISTÓRIA PELA USP-UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, LEVOU SUA VIDA A ESTUDAR AS QUESTÕES SOCIAIS E CULTURAIS DO MUNDO E DO BRASIL, PRINCIPALMENTE DO NORDESTE, EM ESPECIAL DO SERTÃO.EM PARIS, NA FRANÇA, TEVE OPORTUNIDADE DE MANTER ESTUDOS COM O RENOMADO PROFESSOR CELSO FURTADO.AMANTE DOS LIVROS E DA PESQUISA,FERNADO ERA UM PROFUNDO CONHECEDOR DA HISTÓRIA E DA CULTURA DE SERTÂNIA, PELA QUAL POSSUÍA UMA AMOR INESGOTÁVEL.
FERNANDO PATRIOTA PUBLICOU ENSAIOS E ARTIGOS EM SUPLEMENTOS E REVISTAS ACADÊMICAS DE LIETRATURA E HISTÓRIA.

OS SEUS LIVROS:

“ACONTECEU NO BECO LIBERDADE”(2001) É UM ROMANCE QUE MISTURA FICÇÃO
E REALIDADE. CONTA A HISTÓRIA DE JORGE DE ALMEYDA, QUE SAÍ DEUMA CIDADE DE INTERIOR DE NOME ALAGOA DE BAIXO PARA ESTUDAR NA CAPITAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO.LÁ, ENVOLVIDO NO MEIO LITERÁRIO E NA BOEMIA DO BECO DA FOME, REDUTO INTELECTUAL ALTERNATIVO DA RUA 7 DE SETEMBRO, NO BAIRRO DA BOA VISTA, PARTICIPA DAS LUTAS CONTRA O REGIME MILITAR E VIVE UMA INTENSA PAIXÃO COM A ATRIZ DE SUBÚRBIO BEATRIZ.NO LIVRO, DENTRO DO ENREDO, HÁ PAISAGENS URBANAS, PERSONAGENS E CONTEXTOS SERTANIENSES,
COM O CINE EMOIR, O GINÁSIO OLAVO BILAC E O CALDO DE MARIQUINHA NO VELHO CABARÉ...
“DE BARAÚNAS E PALAVRAS –ENSAIOS SOBRE O SERTÃO”(2003) É UMA COLETÂNEA DE ARTIGOS SOBRE A REGIÃO SERTANEJA.UM DELES FALA SOBRE DOIS CAPITALISTAS IMPORTANTES NO SERTÃO DO MOXOTÓ: EPAMINONDAS MORAES E FRASNCISCO PINHEIRO, QUE IMPLANTARAM AS USINAS DE CAROÁ, GERANDO EMPREGOS E RIQUEZA.EM OUTROS TEXTOS ABORDA APOESIA DE DOIS MESTRES DA LITERATURA SERTANIENSE: ULYSSES LINS E ALCIDES LOPES DE SIQUEIRA.TRAZ AINDA MEMÓRIAS DE SUA INFÂNCIA: O CORETO DA RUA VELHA, A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA,
A PRAÇA MARTINS JUNIOR(HOJE PRAÇA JOÃO VALE).”INDUSTRIALIZAÇÃO NO SERTÃO-UM PROCESSO INTERROMPIDO”, EXPÕE UMA SÍNTESE DA SUA TESE DE DOUTORADO, QUE ABORDA O CICLO DO CAROÁ, NA ECONOMIA SERTANEJA.
ALÉM DE INTELECTUAAL BRILHANTE, FERNANDO PATRIOTAERA UM SERTANIENSE APAIXONADO PELAS COISA DE SUA TERRA, PREOCUPADO COM NOSSA RAÍZES E NOSSO FUTURO.SONHAVA COM O DIA EM QUE SERTÂNIA TERIA O SEU ESPAÇO CULTURAL, PARA ABRIGAR OS OBJETOSE DOCUMENTOS DE SUA HISTÓRIA, BEM COMO PARA SEDIAR SUAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS ,DAS QUAIS É RICA...

UMA LITERATURA INCONFORMADA

“ACONTECEU NO BECO LIBERDADE”(2001), LIVRO DE ESTRÉIA DE FERNANDO PATRIOTAÉ UM ROMANCE QUE MESCLA DOCUMENTÁRIO E FICÇÃO, COM INSPIRAÇÃO AUTOBIOGRÁFICA, TENDO COMO CONTEXTO HISTÒRICO OS ANOS 70:
A RESISTÊNCIA DEMOCRÁTICA Á DITADURA MILITAR CONDUZIDA PELO MEIO ESTUDANTIL ENA LUTA POLÍTICA TRAVADA PELA OPSIÇÃO E PELOS MOVIMENTOS SOCIAIS, DESTACANDO O CENÁRIO CULTURAL DO RECIFE, POVOADO DE POETAS ALTERNATIVOS, QUE FIZERAM DO BECO DA FOME E DA RUA SETE DE SETEMBRO,
O NICHO DA BOEMIA INTELECTUAL QUE INJETAVA SANGUE NOVO, NO CORAÇÃO DA VIDA LITERÁRIA DO RECIFE.A AÇÃO QUE SE PASSA NA CAPITAL PERNAMBUCANA, TRAZ LEMBRANÇAS DA MEMÓRIA DA ALAGOA DE BAIXO, BERÇO DO PROTAGONISTA JORGE DE ALMEYDA, JOVEM ESTUDANTE DE ENGENHARIA, QUE APÓS A INFÂNCIA
DESLUMBRADA COM OS FILMES DA TELA PANORÂMICA DO CINE EMOIR E TER
A FORMAÇÃO CLÁSSICA NOS BANCOS ESCOLARES DO GINÁSIO OLAVO BILAC, CHEGA A VENESA BRASILEIRA, POVOADO DE SONHOS DE GLÓRIA LITERÁRIA E IDEALISMO POLÍTICO, COMO MUITOS MOÇOS DO INTERIOR DO ESTADO,ESPECIALMENTE DE ALAGOA DE BAIXO, ALGUNS ATÉ PERSONAGENS DO ENREDO, EXILADOS ECONÔMICOS QUE PARTIRAM POR CONTA DA “TENTAÇÃO DO OURO EM TERRA ALHEIA”, COMO DIRIA O POETA SERTANIENSE WALDEMAR CORDEIRO.
“DE BARAÚNAS E PALAVRAS-ENSAIOS SOBRE O SERTÃO”, REÚNE TEXTOS PUBLICADOS EM JORNAIS TENDO COMO LINHA MESTRA, O ESTUDO E A REFLEXÃO
SOBRE A REGIÃO SERTANEJA ORA SOB A ÓTICA ACADÊMICA COMO “OS SERTÕES:
NARRATIVA DA GUERRA CIVIL”, ONDE ANALISA O FENÕMENO SOCIAL DE CANUDOS NA NARRATIVA DE EUCLIDES DA CUNHA, EM SUA OBRA “OS SERTÕES”, ORA SOB A ÓTICA LITERÁRIA COMO “O TEMPO DESCARRILADO”, ARTIGO EM QUE DISCORRE
CONSIDERAÇÕES OSBRE A POESIA DO SERTANIENSE ALCIDES LOPES DE SIQUEIRA, AUTOR DO LIVRO “NO TEMPO DO ADADÁ” E OUTROS, QUE FOI FUNDADOR DO MOVIMENTO ARMORIAL COM O ESCRITOR ARIANO SUASSUNA.HORA AINDA, EM “SERTÃO DE BARÚNAS E PALAVRAS”, ONDE EXPÕE UMA VISÃO GLOBAL SOBRE A OBRA DO POETA E HISTORIADOR DE SERTÂNIA, ULYSSES LINS. AS REFERÊNCIAS
A SERTÂNIA(UMA CONSTANTE NA OBRA DE FERNANDO PATRIOTANÃO PARAM NESTES DOIS TEXTOS. EM “CAPITALISTAS DO SERTÃO: DOIS PERFIS” , , O AUTOR COM UMA LINHA LINHA CIENTÍFICA CONSTRÓI UMA OBSERVAÇÃO APROFUNDADA SOBRE A VIDA E A PRODUÇÃO ECONÔMICA DE FRANCISCO PINHEIRO EPAMINONDAS MORAES(MAIS TRADE LÍDER POLÍTICO DE SERTÂNIA), INDUSTRIAL DA FIBRA DE CAROÁ, COMERCIANTE DE DORMENTES DE MADEIRA E PROPRIETÁRIO DO CINE EMOIR E DA DIFUSORA DO MESMO NOME. UMA DAS USINAS DE CAROÁ DE EPAMINONDAS MORAES INSTALADA NA LOCALIDADE NA ÉPOCA, CONHECIDA
POR CACHOEIRINHA,TROUXE AO LUGAR O CRESCIMENTO ECONÔMICO, FAZENDO SURGIR RESIDÊNCIAS OPERÁRIAS, ARMAZÉNS,BODEGAS E TUDO MAIS, PASSANDO A
COMUNIDADE A CHAMAR-SE PELO SEU NOME: CAROALINA. O AMOR INESGOTÁVEL QUE FERNANDO PATRIOTA NUTRIA POR SERTÂNIA , PODE SER EXEMPLIFICADO NA CRÔNICA “IMAGENS ANTERIORES”,ONDE O AUTOR PARECE LEVITAR ATÉ O ARCO-ÍRIS DA MEMÓRIA PARA APANHAR O POTE DOURADO DAS LEMBRANÇAS E COM SEU PINCEL FORMIDÁVEL DO TALENTO, MISTURA AS CORES FABULOSAS DA NOSTALGIA
SAI A PINTAR QUADROS E MAIS QUADROS DO REINO ENCANTADO DE SERTÃNIA, DESDE A INFÂNCIA,PASSANDO PELA FAZENDA MANIÇOBA, DO SEU PAI-UM PARAÍSO CAMPESTRE PARA SUA MENINICE ATÉ AO ARRAIAL TELÚRICO- ARUA BENJAMIN CONSTANTI-ONDE ATÉ HOJE O LAR DOS BARROS PATRIOTA.O CORETO DA RUA VELHA, A PRAÇA MARTINS JÚNIOR(HOJE PRAÇA JOÃO VALE), A ESTAÇÃO FERROVIÁRIA, CONSTITUEM –SE NA ARQUITETURA LÍRICA, A REPRESENTAR
A SUA VIVÊNCIA NA SERTÂNIA DOS ANOS 60, PERÍODO QUE JÁ ASSINALA O INÍCIO DA DECADÊNCIA ECONÔMICA DO MUNICÍPIO, COM O FECHAMENTO DE SUAS PRINCIPAIS INDÚSTRIAS.
“INDÚSTRIALIZAÇÃO: UM PROCESSO INTERROMPIDO”, TERCEIRO LIVRO DE
FERNANDO PATRIOTA TRATA EXATAMENTE DESTE TEMA MENCIONADO NO FINAL DO PARÁGRAFO ANTERIOR: A PUJANÇA ECONÔMICA VERIFICADA NA REGIÃODO SERTÃO,, ESPECIALMENTE EM ALAGOA DE BAIXO, POR CONTA DO PROCESSO INDUSTRIAL DA FIBRA DO CAROÁ, GERANDO RIQUEZA E DESNVOLVIMENTO ECONÕMICO E ALTERNATIVAS DE TRABALHO E RENDA PARA OS SERTANEJOS,
ANTE AS AGRURAS SOFRIDAS COM AS SECAS, QUE TORNAVAM A PECUÁRIA E A AGRICULTURA, ATIVIDADES DE POUCAS PERSPECTIVAS. FERNANDO , USANDO DO RIGOR CIENTÍFICODE PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA UFPB E A SUA RELAÇÃO FAMILIAR “IN LOCO”COM AS USINAS DE CAROÁ EM CAROALINA E SERTÂNIA, APRESENTA UM AMPLO ESTUDO SOBRE O AUGE E A FARTURA, O DECLÍNIO E A EXTINÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DA FIBRA, ILUSTRANDO COM DADOS A SUA ARGUMENTAÇÃO.O LIVRO CONDENSA A SUA TESE DE DOUTORADO
NA USP-UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO-, CENTOR DE SABER, QUE SÓ ASSIM TOMOU CONHECIMENTO DESTA EPOPÉIA DOS SERTANEJOS, CONTRIBUINDO PARA QUEBRAR A VISÃO CLICHERIZADA DO SUL(DESTE), QUE TEM DO SERTÃO, A IMAGEM DE UMA TERRA DESÉRTICA, DE MISERÁVEIS PEDINDO ESMOLA, RETIRANTES FUGINDO DA SECA, E DE UMA ELITE FISIOLÓGICA, QUE VIVE A CATA DE FAVORES DAS SUDENES DA VIDA. A TESE DE FERNANDO SERVIU PARA DESMISTIFICAR O PRECONCEITO DE QUE NOSSA REGIÃO É INVIÁVEL. “ANTES DE TUDO UM FORTE”, COMO DISSE EUCLIDES DA CUNHA, O SERTANEJO MOSTRADO POR FERNANDO PATRIOTA, SE LHE FORMA DADAS AS OPORTUNIDADES, UM POUCO DE ESTRUTURA E INCENTIVO, ELE É CAPAZ DE FAZER HISTÓRIAECONSTRUIR UMA HISTÓRIA DIFERENTE, CAPAZ DE MODIFICAR
O PERVERSO MODELO SOCIAL AQUI INSTALADOE PERPETUADO POR AUSÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS, QUE PRODUZAM UM DESENVOLVIMENTO ESCONÕMICO
REGIONAL JUSTO.
OS LIVROS DE FERNANDO PATRIOTA NOS LEVAM A ENXERGAR A SUA CAPACIDADE ADQUIRIR O CONHECIMENTOUNIVERSAL PARA PESQUISAR A SUA REALIDADE REGIONAL E INTERPRETÁ-LA, PROCURANDO FAZER COM A FUSÃO DESTES CONTEÚDOS CONTRIBUA NA EDIFICAÇÃO DE UM MUNDO MELHOR
E DE UMA CIDADE MAIS AVANÇADA E DE VIDA INTELIGENTE.ELES SEGUEM NALINHA SEMELHANTE A ANTROPOFAGIA CRIADA PELOS MODERNISTAS DE 22, PELO TROPICALISMO EM 68 E PELO MOVIMENTO MANGUE EM 1994.ESTA TALVEZ SEJA
A CARACTERÍSTICA MARCANTE DOS LIVROS DE FERNANDO PATRIOTA: O SUMO BELO DEHOMENS, IDÉIAS E ÉPOCAS, PELO PRISMA CRÍTICO-HISTÓRICO A FILTRAR O NECESSÁRIO, TEMPERADO PELO NÉCTAR INEBRIANTE DA POESIA.


FERNANDO PATRIOTA ESTARÁ SEMPRE VIVO NOS SEUS ARTIGOS, LIVROS E PESQUISAS UNIVERSITÁRIAS, NOS SEUS ALUNOS, FAMILIARES, AMIGOS E ADMIRADORES.MAS, É PRECISO SOCIALIZAR A SUA PRESENÇA NO SEIO DA COMUNIDADE SERTANIENSE.INCLUSIVE NO MEIO QUE FERNANDO MAIS AMAVA: O DO CONHECIMENTO.. LEVAR OS LIVROS DELE PARA AS NOSSAS ESCOLAS. CAPACITAR
NOSSOS PROFESSORES PARA MELHOR ORIENTÁR SEUS ALINOS NO ESTUDDO E NA PESQUISA DA HISTÓRIA E DA LITERATURA ESCRITAS POR FERNANDO, QUE BEBEU
NA ÁGUA DA TERRINHA.TEMOS QUE ACABAR COM O ANONIMATO DOS NOSSOS ESCRITORES EM SUA PRÓPRIA TERRA.
ALÉM DE BATIZAR UMA RUA OU AVENIDA OU AINDA UMA ESCOLA COM O SEU NOME, OUTRA FORMA MAIS SUBLIME DE MANTER VIVA A SUA MEMÓRIA É REALIZAR PARTE DE SEUS SONHOS: CRIAR UM ESPAÇO QUE ABRIGUE O ACERVO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE SERTÂNIA, COM UM TEATRO PARA EVENTO E EXPOSIÇÕES, QUE FERNANDO E O MOVIMENTO CULTURAL SONHARAM E LUTARAM, POR MUITO TEMPO, EM TENTAR FAZER NO CINE EMOIR, MAS NUNCA ENCONTRARAM APOIO E SENSIBILIDADE POR PARTE DO PODER PÚBLICO MUNICIPAL.


DEPOIMENTO SOBRE FERNANDO PATRIOTA


“trata-se de uma figura apaixonada por nossa terra, preocupado com a inserção de Sertânia no cenário do desenvolvimento regional, não apenas no aspecto econômico, como também sob a ótica da integração cultural e social. Fernando foi um sertaniense prá lá de arretado de bom, orgulhando a todos nós, seus conterrâneos, visto que, com sua inteligência e sabedoria, elevou o nome de Sertânia, graças a sua valiosa contribuição dada a história, a arte e a cultura. Sua falta empobrece a nossa cultura, porém, o seu exemplo de determinação e de amor por tudo que fazia, nos encoraja a continuar lutando e acreditando em uma vida melhor, principalmente com mais integação cultural.”


AURINO SEVERO(AUDITOR DA RECEIITA ESTADUAL,EX-PRESIDENTE DA CASA DE ESTUDANTE DE SERTÂNIA, DO DIRETÓRIO MUNICIPAL DO PT EM SERTÂNIA, DIRIGENTE DA ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE SERTÂNIA-ACORDES)

















após as novelas...

Um comentário:

Sebastião disse...

Josessandro, parabens. A sua matéria sobre o Cine Emoir, tocou profundamente a minha alma. Fiz parte da história desse cinema, como locutor da Difusora Emoir, entre os anos de 1964 a 1968, e também fazendo outros serviços como bilheteiro e porteiro principalmente quando havia duas sessões. Nesta epoca em 1968 no mes de outubro, eu começa a realizar um sonho de ser locutor de Rádio e fui para a então Rádio Bandeirantes, em Arcoverde. O Cine Emior foi um marco cultural na nossa querida Sertania. Na praça, hoje João Pereira Vale, as tardes e noites principalmente nos fins de semana, acontecia um verdadadeiro desfile das de moças e rapazes, muitos com seus namorados e outros e outras paquerando e quse todos esperando a horá de começar o filme. Que tempo maravilhoso. A inocencia do namoro no escurinho do cinema. Tempos que não voltam mais. Recordar doi no coração de tanta saudade. Estou fora de Sertania a muitos anos, muitos mesmo, e todo vez que volto sinto um falecidade imensa, pois nesse rincão estão as minhas raizes. Olha gostei de ter meu nome lembrado na história do Cine emior, mas tenha uma crítica a fazer, quando sou sitado como locutor de voz apenas razoavel. Por todas as Emissoras de rádio onde passei sempre fui considerado como locutor padrão, inclusive na TV Grande Minas, onde trabalhei duarante 22 anos como lucutor padrão dessa afiliada da Rede Globo. É bem verdade que tive que aprender muito, mas na Difusora do cinema foi o começo de tudo. Não se se voce sabe mais em Sertânia, teve outro serviço de alto falante, que pertencia a Zé Etelvino e que ficou no ar pouco tempo. Foi nele que enfrentei pela primeira vez um microfone, e depois teve a rádio AM montada nos fundos da funerária de Sr Misael, que servia inclusive para cobras das pessoas que compravam em sua loja e não pagavam, cobrava até quem não pagava os caixões de defunto. Um abraça de Sebastião Honório Remígio.