quarta-feira, 16 de setembro de 2009

JOSESSANDRO ANDRADE COM PROJETO DO FESTIVAL LITERÁRIO´DO SERTÃO É FINALISTA DO PRÊMIO VIVA A LEITURA 2009


Conheça os finalistas da edição 2009 do Prêmio Vivaleitura

A Comissão formada por representantes do Ministério da Educação, Ministério da Cultura, Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Cultura e a Ciência, Consed, Undime e Fundação Santillana, tem o prazer de divulgar os finalistas do Prêmio VIVALEITURA 2009.



Conheça os finalistas da edição 2009 do Prêmio Vivaleitura


A Comissão formada por representantes do Ministério da Educação, Ministério da Cultura, Organização dos Estados Ibero-Americanos e Fundação Santillana, tem o prazer de divulgar os finalistas do Prêmio VIVALEITURA 2009. São cinco trabalhos escolhidos nas três categorias que compõem o prêmio: bibliotecas, escolas; e experiências desenvolvidas por pessoas físicas, ONGs, universidades/faculdades e instituições. Este ano, outras cinco experiências também recebem a distinção da Menção Honrosa. São empresas ou instituições que se destacaram na promoção da leitura, tendo como destaque sua abrangência e relevância.
Os vencedores das três categorias serão anunciados na festa de entrega do Prêmio VIVALEITURA 2009, que acontecerá no dia 22 de outubro, em São Paulo.
Conheça os finalistas e os trabalhos que vão receber a menção honrosa.



Categoria 1

Protocolo Responsável Nome do Projeto UF Cidade
2970 Ciro José Sarairo-O Caminho da Leitura/MT Campinópolis
1320 Jeudy Machado de Aragão Projeto Leituração BA Salvador
2009 Sueli Moreira Gouveías Tenda da Biblioteca Popular CE Trairi
1709 Adolfo de Moura Lóra Projeto Biblioteca da Base da PM do JD Ranieri SP São Paulo
1035 Marcia Andrea Schneider Leitura é Patrimônio RS Picada Café

Categoria 2

Protocolo Responsável Nome do Projeto UF Cidade
1705 Josessandro Batista de Andrade Flis-Festival Literário do Sertão PE Sertânia
1602 Wagner Eduardo Rodrigues Belo - Esse eu Recomendo MG Juiz de Fora
2778 Claudete Back de Jesus - -Alice no Pais dos Números SC Atlanta
2530 Gabriela Guarnieri de Campos Tebet - Me descobrindo, descubro

também o mundo e a

leitura: Literatura, arte

e identidade em creches SPSão Carlos


1511 Rose-Meire Dias Santos Biblioteca Ambulante:

"A Cor da Cultura Formando

Leitores e Jovens Griots" MT Barra do Garças

Categoria 3

Protocolo Responsável Nome do Projeto UF Cidade
1778 Tereza Cristina Barbosa de Brito A Biblioteca Livro em Roda PB João Pessoa
1776 Edna Julia de Araujo Cury Apoio à Leitura e à Escrita MG Uberaba
2651 Otávio Cesar Santiago de Souza Jr. Programa de Incentivo a Leitura Ler é 10 - Leia favela RJ Rio de Janeiro
1068 Andreia Aparecida Silva Donadon

Leal Poesia Viva - A Poesia Bate à sua Porta com os Poetas do Jornal Aldrava MG Mariana
2475 Else Doratés Lopes Leitura e Vivências com Recuperandos do Sistema Prisional MG Nova Lima

Menção Honrosa

Protocolo Responsável Nome do Projeto UF Cidade
2487 Luiz Amorim dos Santos Parada Cultural - Biblioteca Popular 24 Horas DF Brasília
2286 Ana Cristina Dubeux Dourado Programa Prazer em Ler DF Brasília
2318 Cristina Souza Santos Maseda FLIPINHA - Programa Educativo RJ Paraty
1367 Cleide Cristina Soares Programa Arca das Letras DF Brasília
1679 Adriana Bogliolo Sirihal Duarte Programa Carro - Biblioteca: Frente de Leitura MG Belo Horizonte
VEJA AGORA NA ÍNTEGRA O PRJETO "FESTIVAL LITERÁRIO DO SERTÃO", IDEALIZADO E COORDENADO POR JOSESSANDRO ANDRADE, QUE É UM DOS FINALISTA DO PRÊMIO VIVA LEITURA , NA CATEGORIA ESCOLA:

APRESENTAÇÃO
O FLIS- Festival Literário do Sertão é um projeto que foi realizado pela Escola Olavo Bilac, em duas edições, sendo a primeira em 2007 e a segunda em 2008..Palestras, seminários, oficinas, Recitais, performances, shows, exposições e cantoria de viola., sempre com um tema central, em homenagem a escritores. No I FLIS, caracterizou –se pela apresentação dos trabalhos dos alunos ter sido feita apenas para as salas de aulas,após o encerramento.Já no II FLIS, as apresentações ganharam o palco do auditório, os corredores e outros espaços da escola , Durante o próprio evento, evidenciando assim a evolução do processo de execução dos trabalhos, já que então os alunos demonstraram estar mais á vontade e mais motivados na sua participação.
JUSTIFICATIVA
Pernambuco é carente de festivais de literatura: Tem FLIPORTO, festival deLiteratura do Recife, Festival de literatura de Garanhuns, que se localizam distante da nossa gente. A importância de se realizar um festival como esse, numa região como o sertão é incalculável. Principalmente no Sertão do Moxotó, que é considerado um dos mais secos de Pernambuco. É nesta microrregião que se localiza Manari, um dos Cinco IDHS mais baixos do Estado, Consequentemente lugar dos mais carentes .Mas é também onde Encontramos um vale fértil de artistas. De Tacaratu, o coco do Tebei , as rendeiras e os cantores e compositores Anchieta Dalí e Josildo Sá.De Ibimirim a arte dos santeiros.De Arcoverde, Já próximo do Vale do Ipanema, A Poetisa Micheliny Veruskchi e o Cordel do fogo encantado.De Sertânia, o escritor Marcelino Freire, os artesãos das esculturas alongadas e o compositor e maestro Francisquinho, só para citar alguns.
OBJETIVOS
O FLIS cumpriu seus objetivos de Incentivar a leitura, Contribuir para melhorar a habilidade dos envolvidos no sentido de ler e escrever o mundo,Resgatar a identidade cultural de nosso povo,Envolver todos os professores e as mais variadas disciplinas, num compromisso articulado de fazer pensar e refletir criticamente, a partir do trabalho com conteúdos de suas respectivas disciplinas, inseridas nas atividades do festival.O evento teve cobertura da Rádio SERTÃNIA FM, do blog Diário do Caramujo( São Paulo-SP)e do portal INTERPOETICA (Recife-PE) Outras escolas da cidade marcaram presença: O Pequeno Príncipe, O pequeno Polegar , a Escola Etelvino Lins, Escola Amaro Lafayete,Escola Jorge de Meneses,Escola Agrícola e Escola Sebastião Lafayete marcaram presença, Tendo sido inclusive convidadas.Urge também um apoio maior da GRE e da Prefeitura Municipal, Para que na próxima edição o FLIS possa crescer ainda mais e promover o intercâmbio cultural com escritores de outras regiões.
METODOLOGIA
Seguimos a seguinte metodologia: planejamento em conjunto com os professores, que ocorreu sempre na volta do recesso escolar em julho, durante o mês de agosto os contos com as atrações e convidados para fechar a programção prevista e durante o mês de setembro os trabalhos prepratórios com as turmas em sala de aula, inclusive informando sobre qual seria a atividade específica que seria desenvolvida pela aquela classe, a partir do que seria vivenciado no FLIS.

I F E S T I V A L L I T E R Á R I O D O S E R T Ã O
TRIBUTO A WALDEMAR CORDEIRO E WALMAR
De 17 a 20/10/2007 -
O "I FESTIVAL LITERÁRIO DO SERTÃO" aguardado por muitos sertanejos locais e de outras regiões,aconteceu em clima de festa e confraternização. O laboratório das letras foi realizado no período de 17 a 19 de Outubro de 2007, na cidade de Sertânia - Pernambuco - Brasil. Realizado pela Escola Olavo Bilac (instituição do Governo do Estado) e com o apoio da Prefeitura Municipal, produtores culturais, poetas, músicos, escritores, letristas e simpatizantes das artes, o evento literário tem cunho pedagógico e cultural. As raízes do povo, valores e tradições da literatura e da arte sertaniense não foram esquecidas em toda a programação.
O Festival da Escrita fez dois tributos: o primeiro homenageado foi o poeta Waldemar Cordeiro - compositor, músico, professor, diretor e um dos fundadores da Escola Olavo Bilac - que completaria 96 anos de idade no dia 20 de Outubro e desaparecido há 15 anos. O outro destaque nas homenagens foi o artista multicultural Walmar - compositor, cantor, escritor, produtor cultural, músico e ex-aluno da referida escola - que o dia 11 de Outubro - registrou 10 anos de sua passagem, meteórica e criativa, pelo planeta Terra. Houve ainda homenagens à Luísa Pinto, ex-professora de Ciências da Escola Olavo Bilac (desaparecida recentemente em Brasília - Distrito Federal), deixando saudades, ensinamentos de vida e ecológicos.

O I Festival Literário do Sertão, , uma louvável iniciativa realizada pelas pessoas da Escola Olavo Bilac e mais uma pá de gente amiga, na cidade de Sertânia, em pleno Sertão do Moxotó de Pernambuco, onde ocorreram palestras e vários debates com feras como os poetas-escritores Marcos Cordeiro, Luiz Carlos Monteiro, Alberto Oliveira e Vanusa Silva. Todos, autores sertanejos com vivência acentuada em Sertânia, além de Eraldo Miranda, escritor paulistano. Na ocasião, dois ícones da poesia nordestina foram homenageados: Waldemar Cordeiro e outro poeta gigante chamado Walmar.Os Tributos aconteceram em forma de palestras , recitais poéticos performáticos e shows musicais a partir das obras dos homenageados,como “ Waldemar Cordeiro: Vida e obra “, no dia 17/10 com o poeta , artista plástico e teatrólogo Marcos Cordeiro e Luiz Carlos Monteiro , poeta e crítico literário. Em seguida, tivemos recital poético performático “salão de sombras”, com poemas do homenageado , com a companhia teatral Primeiro Traço.Finalizando a tarde, show de músicas de Waldemar Cordeiro, Com o cantor Anacleto Carvalho e o compositor João Cardoso. “Walmar – poesia e música”, foi o tema da palestra de Josessandro Andrade e Antônio Amaral, dia 18/10. O recital performático em homenagem a Walmar foi encenado pelo grupo Mandacaru Teatro. Calu Vital, cantor e compositor , cunhado do homenageado, fez um show de voz e violão interpretando suas músicas..

Tivemos ainda rodas de leitura no dia 19/10/2007 envolvendo Marcos cordeiro, poeta , artista plástico e dramaturgo( prêmio Elpídeo Câmara , de teatro 2005),Luiz Carlos monteiro, poeta e critico literário, Alberto Oliveira, poeta , editor e produtor cultural, todos sertanienses que desenvolvem carreira literária nas capitais, alem do poeta e teatrólogo Flavio Magalhães e, tivemos ainda oficina de contação de história ,para professores da rede municipal , estadual e privada, além de estudantes, com o escritor Eraldo Miranda , que veio de São Paulo-SP, o lançamento do livro infantil As Formigunhas, da escritora sertaniense Vanusa Silva, bem como feira de livros , cordéis e cds da livraria expressa, encerrada no dia 20 /10.. A noite de poesia popular salientou o brilho especial dos repentistas Genival Pereira (Gato Novo) e Zé Bartolomeu e o talento especial dos declamadores Zenilton , Abel doceiro, Gilson Gênio , Nenem das cocadas e Gabriel Oscar. Os Alunos puderam ainda apreciar as exposições poéticas, que revelaram toda a força da poesia local com a EXPOEMA- exposição de poetas sertanienses, EXPOR(ATOS)- exposição dos poetas do cabeça de rato, EXPOP- exposição dos poetas populares , EXNAP - exposição dos novos poetas.Um momento significativo foi o lançamento do livrete de glosas e motes de Hugo Araújo , bem como a Exposição de um banner personalizado do festival Literário com motes e glosas de sua autoria e do seu filho Túlio.
Os professores tiveram autonomia pedagógica para definir os instrumentos de participação dos seu alunos. Ao final do festival foram montados painéis, elaborados relatórios, produzidas maquetes, dramatização de poemas, seminários , enfim uma série de atividades vivenciadas em sala de aula sobre os mais diverso temas relacionados ao festival, solicitadas pelos professores com antecedência ao evento, tais como a relação de poesia e música na obra de Waldemar Cordeiro, O Caráter social nas criações de Walmar, A presença da paisagem da caatinga e das espécies vegetais nas obras de ambos, entre outros.



II FLIS –FESTIVAL LITERÁRIO DO SERTÃO
DE 24 A 27 DE NOVEMBRO DE 2008

Este ano de 2008, o II FLIS foi assim anunciado pelo menestrel da festa, Hugo Araujo :
”UM ANO JÁ SE PASSOU
A POESIA ESTÁ DE VOLTA
ESTÁ SEMPRE ABERTA A PORTA
É POR ALI QUE EU VOU
MINHA MEMÓRIA GUARDOU
UMA RIMA EM CANÇÃO
O CORDEL EM EXPLOSÃO
HOJE FAZ ANIVERSÁRIO
UM FESTIVAL LITERÁRIO
TRAS CULTURA PRO SERTÃO
..JOSESSANDRO E GATO NOVO
ZÉ LUIZ , CALU VITAL
PRESENTES NO FESTIVAL
É UMA FESTA DO POVO
COM ALEGRIA EU LOUVO
GIBA E HIPEE SANFONEIRO
ADAMASTOR É LIGEIRO
POETA ANTONIO AMARAL
CHICO ARRUDA COISA E TAL
REUNIÃO DE GUERREIROS..”
(POETA HUGO ARAUJO)
O II FLIS -Festival Literário do Sertão, realizado no período de 24 a 27 de novembro de 2008, pela Escola Olavo Bilac, em Sertânia, município do Sertão do Moxotó Pernambucano, isto numa região das mais secas do país, onde o Sertão é mais do que nunca sertão.
Nesta segunda edição, o Festival Literário do Sertão teve como tema “a macrovisão do negro na literatura”. Na abertura, o Grupo de Estudos Nativos do Sertão exibiu o vídeo “ a contribuição do negro na história da humanidade”, seguindo-se debate.Prosseguindo, tivemos uma viagem pela vida de Gregório de Matos, através da dramaturgia de Marcos Cordeiro, um escritor sertanienese, residente em Olinda., com o lançamento dos livros “Orfeu em África” (prêmio Elpídeo Câmara 2005) “ Capibaribe do sol”, prêmio Elpídeo Câmara 2003) de autoria de Marcos Cordeiro, poeta , dramaturgo e artista plástico, com mesa de debates formada pelo professor Gilberto Cosme de Farias(Giba) e o autor.Concluindo a tarde, tivemos o show poético-musical “Água fria de alagoa de baixo”,Onde Josessandro Andrade recita poemas de vates sertanienses, entremeados de canções de Antônio Amaral, a quem Cátia de França chamou de “Villa-Lobos do Sertão”. No período da noite, tivemos a exibição do filme “poetas de repente”, documentário produzido pela Fundação Joaquim Nabuco, com direção de Cíntia Falcão, que, inclusive, conta com a participação de professor (Josessandro Andrade) e alunos ( Gilmarques Andrade e Derivaldo Santana) da escola e dos sertanienses Ésio Rafael, estudioso de poesia popular e Zé Sotia, aboiador.
No dia 25, terça –feira,durante a tarde aconteceu o ” CAFÉ COM POETAS”, recital de poemas com os componentes da SAPECAS-Sociedade dos poetas, Escritores, Compositores e Artistas de Sertânia,que após falarem sobre seu trabalho e recitarem seus poemas , abriram espaço para os alunos e professores da escola declamarem ou lerem suas poesias. Posteriormente, entrevista aos membros do Jornal de poesias Cabeça de Rato, que no dia 09 de dezembro completou 20 anos de existência, sendo um dos mais antigos em circulação no Brasil.Logo após, foram realizadas homenagens ao poeta Georges Gondim, através do professor Esequias Cardoso e ao músico Demétrio Dias Araujo, através de José Brasiliano(Charuto). Durante a noite tivemos os declamadores Zenilton e Abel e Show musical Com Hugo Araujo e sua banda, que aproveitou a ocasião para lançar mais um livreto de poemas e glosas de sua autoria. A quarta-feira , dia 26 iniciou-se pela manhã com o projeto de incentivo a leitura, envolvendo crianças, utilizando personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo, na Biblioteca escolar,por intermédio das estagiárias do curso Normal médio.Durante o período vespertino, um dos grandes momentos do festival : A palestra sobre a vida e obra de Corsino de Brito,poeta sertaniense e militante da frente negra com Solano Trindade onde o professor Gilberto Farias( Giba) abordou o livro de poesia “ réstias de minha latada”e o professor Zé Luiz Cavalcanti enfocou o ensaio “ os números falam”, também de Corsino de Brito. Houve ainda depoimentos de personalidades que conviveram com o escritor na infância como o ex-vereador e miltar reformado Evandro Laet e o poeta Admastor Passos. No último dia do festival literário, reservado para os estudantes Apresentarem os seus trabalhos sobre o que vivenciaram no II FLIS, tivemos pela manhã uma novidade das mais especiais:o I FLIS INFANTIL.,enfocando os projetos “Homem-poeta e mulher-poesia”, sobre a obra infantil ” as formiguinhas”, da escritora Vanusa Silva, com as turmas de pré-escolar e alfabetização, da professora Cíntia, “objetos típicos do sertão”, sobre o folheto de cordel de Genival Pereira,Gato Novo,cantador Repentista negro,com a turma da 1ª série da professora Adriana, ”árvore dos versos”, da turma da 2ª série , da professora Lourdinha, “casa do poeta”, da professora Josefa( ZEFINHA), “Horta de Rimas”, da professora Joselita, todas sobre trovas do poeta Alcides Lopes de Siqueira.Já à tarde, vale salientar os estandes e apresentações da 8ª Série, “ os 20 anos do jornal de poesia “ cabeça de rato”, sobre a coordenação da professora de arte Geovana Caldas,”análise psicológica da poesia de Hamilton Rodrigues”,Com o 1º Normal Médio, coordenado pela professora de psicologia, Gilzinete, “Entrevista a Machado de Assis- centenário de morte”,com o 3º Ensino médio “a”, e “ Solano Trindade- centenário de Nascimento”, 3º ensino médio “B”, coordenado pelo professor de Português Gilberto Farias(Giba), ” preservando o meio ambiente através da poesia”, baseado no livro “a Peleja do Rio São Francisco contra o monstro da destruição”, de Wilson Freire, com a 7ª série “A”, do professor de educação ambiental, Gustavo Veras, “os Números”, baseado no livro”os números falam”, de Corsino de Brito, Coordenado pelas professoras de Matemática Rosimere, de História, Juliana Ferreira,e de português Luana,com o 2º normal Médio, e “Lirismo de Corsino de Brito”, com o 1º ensino médio “c”,Coordenado pelo professor de português Francisco. O Encerramento teve também o momento de homenagens Aos poetas vivos Hamilton Rodrigues e Genival Pereira ( Gato Novo)), o desfile das musas dos poetas Waldemar Cordeiro (Siboney), Ulysses Lins (Rosa), Alcides Lopes(Esther), Jairo Araujo (Moema)e Mozart Lopes de Siqueira(Afrodite), , com apresentação dos perfis dos poetas e das suas respectivas musas,todas representadas por alunas da escola,além de show musical de com os Professores Giba, Hippe Sanfoneiro , Antônio Amaral e Zé Luiz.
O FLIS, que contou com os esforços de toda a equipe gestora da Escola Olavo Bilac,tendo A frente a diretora Rute Pontes, professores e funcionários, teve como coordenadores os professores Josessandro Andrade, Gilberto Farias(GIBA)e EdIvanildo Nunes, além da assessoria dos estudantes Gilmarques Andrade e Derivaldo Santana. A Confraternização dos participantes foi na “Casa do Poeta”, espaço cultural Walmar,de Zé Mago(ex-funcionário da escola), local de exposição de poemas de poetas sertanienses, e contou com o violão e os versos do poeta e cantor Chico Arruda, com participação especial de Roberto Lopes, onde saboreou-se a típica culinária sertaneja: galinha de capoeira com arroz de leite, maxixe com Bacalhau, sarapatel, bode guisado com cuscuz e curimatã, nossa gastronomia mais genuína. UM BALANÇO POSITIVO Como resultados mais visíveis, observamos que após a realização do Festival Literário do Sertão aumentou a procura de livros na biblioteca , inclusive o número de empréstimos, bem como muitos estudantes passaram a escrever poesia e outros tipos de textos literários, sendo uma evidência disto a criação do jornal de poesia “o nascer do poeta”, uma iniciativa dos próprios alunos, com apoio dos professores e direção, para dar suporte a publicação de seus próprios poemas, o que mais tarde ganhou adesão de professores, que também passara a desengavetar seus trabalhos poéticos ou a se iniciar na poesia, como foi o caso do professor Edivanildo Nunes,que passou a escrever por incentivo do aluno Gilmarques Andrade. De lá para cá quatro edições foram publicadas, reunindo em cada uma delas poemas de cerca de vinte alunos.O professor José Luiz , residente em Monteiro –PB, apaixonou-se pela cultura de Sertânia-PE, conhecida como “Princesa do Moxotó” e compôs a música “Princesa da poesia”, que foi composta e apresentada ainda no primeiro FLIS.
A ESCOLA OLAVO BILAC E O FLIS O antigo GOB-Ginásio Olavo Bilac é A “ academia verde e branca de dr. Abílio Monteiro”, por onde pontificaram Gênios e mestres como Dr. Laércio Pacheco, o escritor Ubirajara Chaves,O poeta Waldemar Cordeiro, O compositor e maestro Francisquinho, o professor Albry de Castro Barros, A pianista Leny Amorim, o Pe. Christiano Jacobs, entre tantos outros. A Escola Olavo Bilac sempre foi vanguarda cultural, sendo ancoradouro de jovens oriundos das mais diversas comunas do sertão, quer seja do , Moxotó, Pajeu pernambucano,e dos cariris , da Paraíba e do Ceará, Desde os anos 50. Nos anos 60, foi efervecente ponto de debates e agitação política em trono dos temas ligados a realidade brasileira, atraindo a ira dos Militares golpistas de 64, sendo as instalações escolares palco de prisões e perseguições a professores e estudantes. Durante a segunda metade desta década e a primeira metade dos anos 70, o grupo disparada e o movimento dos estudantes desenvolveram um fértil trabalho de resistência política e cultural à ditadura militar
Sendo assim a vida sertaniense passa pela Escola Olavo Bilac.Levando em conta a sua história, sua estrutura física( grande auditório e imensa area verde) e seu potencial pedagógico, surgiu em 2007 o FESTIVAL LITERÁRIO DO SERTÃO,para atender a uma demanda de talentos, observada no cotidiano da sala de aula e também para estimular e revelar outros valores, mas principalmente para levar o estudante ao mundo da leitura e das letras, buscando que ele sinta-se realmente cidadão, identificando –se com a cultura de sua cidade, conhecendo – a e sentindo –se parte dela, já que além de trabalharmos no festival os escritores nacionais como Machado de Assis , Solano Trindade , Monteiro Lobato, entre outros, priorizamos os sertanienses, alguns mais famosos lá fora , outros conhecidos apenas em Sertânia e uma pequena parte completamente desconhecidos do público local.
PROTOCOLO 1705

2 comentários:

Gabriela Guarnieri C disse...

Olá, Josessandro, escrevo para te parabenizar pelo excelente trabalho que desenvolve! Foi um grande prazer te conhecer e conhecer seu trabalho durante o prêmio Viva Leitura 2009. Que nossas prática se multipliquem pelo Brasil e beneficiem um núemro cada vez maior de crianças e jovens! Abraço e parabéns pelo prêmio! Gabriela Tebet (São Carlos/SP)

Euclides disse...

AMIGO JOSESSANDRO:
Necessito muito conhecer a obra do poeta sertaniense CORSINO DE BRITO,
autor do livro OS NÚMEROS FALAM. Se puder informar-me o seu
e-mail, fico muito agradecido. Parabéns pelo seu trabalho cultural na internet. Abraço.