terça-feira, 18 de agosto de 2009

POEMAS DE POETAS DE SERTÃNIA CHEGANDO PELA REDE


Poeta Admastor Passos

ESTAMOS RECEBENDO E PUBLICANDO MATERIAL DOS POETAS DE SERTÃNIA , QUE NOS CHEGAM VIA EMAIL, OU SÃO ENTREGUES NO GUARDANAPO OU PAPEL AMASSADO, NOS BARES DA VIDA. DA PRIMEIRA LEVA, O CANTO DOS SERTANIENSES, EXILADOS ECONÔMICOS EM OUTRAS TERRAS DE TODO O BRASIL, NOS VEM ZITO JR.(SUMÉ-PB) , COM UM POEMA EXTRAORDINÁRIO EM CIMA DE UM MOTE DE CHICO ARRUDA , QUE VEM SE JUNTAR AO CANCIONEIRO POÉTICO DEDICADO A ZINA. PAULO HENRIQUE(RECIFE-PE) , NOS BRINDA COM A ESSENCIA DE SUA POÉTICA TELÚRICA. JOAQUIM BELO(BELEM-PA) FAZ UMA INCURSÃO PELAS CAATINGAS DO CANGAÇO.MEU PRIMO DUVAL BRITO(PAULO AFONSO-BA), CANTA O SEU APEGO A SUA TERRA, REPRODUZINDO POEMA DO SEU LIVRO. EM SEGUIDA, UMA GLOSA MARAVILHOSA DO POETA ADMASTOR PASSOS , QUE APESAR DE OCTAGENÁRIO, FREQUENTA A CASA DO POETA, TOMANDO SUA CACHACINHA COM UM TIRA-GOSTO BEM GORDUROSO, SEM SE APARTAR DE SUA CARTEIRA DE CIGARRO FRHEE E DE SUA BENGALINHA, E AINDA RECITA POEMAS NO PALCO DOS EVENTOS LÁ REALIZADOS.


RECEBI DE ZITO JR:


Ei, Poeta, aqui vai o que consegui fazer para o "tio" Zina:


Mote: Essa nossa Exposição
Não é a mesma sem Zina.

Argonauta sedento por vitórias
Treinou e deu destaque ao handebol
Nesta terra castigada pelo sol
De inúmeros valores e histórias
Gravadas nas páginas das memórias
O que a geração passada nos ensina
Da fazenda à quadra, com disciplina
Deu suor, sangue e emoção
Essa nossa Exposição
Não é a mesma sem Zina.

Foi um dos pioneiros desta festa
Que agita Sertânia e todo estado
Criador de "Anglo" afamado
Como toda passagem se atesta
Quase nada em sua vida se contesta
Pois o resto é do homem a sua sina
Com a Morte tem contrato que se assina
Muito antes que qualquer consagração
É por isso, qu'Essa nossa Exposição
Não é a mesma sem Zina.

(De: Zito Jr.)

------------------------------------------------------------------------------------------------
Poeta, gostaria que você apreciasse umas quadrinhas que fiz, sem nenhuma pretensão, só prá encher o tempo,
Abraços.



Virgulino Lampião


(Joaquim Belo)

Bem na talhada da serra
Onde o Pajeú lava o chão
E o granito era a terra
E a terra de Chico Romão.

Foi lá, nas entranhas do sertão,
No nordeste brasileiro,
Onde nasceu Lampião
O famoso cangaceiro.

Com o rifle papa-amarelo
Bala de fuzil no bornal
Nunca encontrou paralelo
Na ponta do seu punhal.

Travou combates ferozes
Com legalistas volantes
Perseguidores atrozes
De uns cabras valentes.

Saiu lá do Araripe
Pelas veredas nordestinas
E foi parar em Sergipe
Para cumprir sua sina.

Na cidade de Angicos
Deu-se o combate final,
Com uma notícia fatal
Que abalou a nação:
Morreu Maria Bonita
E Virgulino Lampião.

Se para uns foi bandoleiro
O mais cruel da região,
Para outros um justiceiro
Que combatia a exploração
E um fiel escudeiro
Do Padre Cícero Romão.


Belém, 03/08/2009.



-------------------------------------------------------------------------------------------------




Poeta, acabei de ver seu email. Enchi a boca d'água (não sei pq) quando vi o bar de Zé Mago. Logo fui atingido por uma saudade diferente e esperançosa.Então escrevi estes versos despretenciosos, os quais estou te enviando abaixo.Perdoe os erros cometidos quanto à rima, métrica e, sobretudo, em relação à própria poesia



A SAUDADE ME MATA POUCO A POUCO

ME TRANSPORTO SÓ MESMO EM PENSAMENTO

CHEGA O DIA, A HORA, O MOMENTO

JUNTO AS TRALHAS, CORAÇÃO EM DISPARADAO

CAMINHO SE FAZ DE MUITA ESTRADA

MOXOTÓ DE BRAÚNAS E PAU D'ARCO



A CACHAÇA É A MINHA COMPANHEIRA

FLORESCENDO OS SENTIDOS DESDE ENTÃO

O SERTÃO NÃO É MAIS RECORDAÇÃO

VEJO LOGO A CALÇADA DA IGREJA

"RAIMUNDIM", O ZÉ MAGO, LOGO A FEIRA

É SERTÂNIA: MEU PAÍS, O MEU TORRÃO.


Paulo Henrique Ferreira




------------------------------------------------------------------------------------------------



RE: ‏
De:
Lourival L. Brito (duvalbrito@yahoo.com)
Enviada:
terça-feira, 18 de agosto de 2009 17:26:01
Para:
Josessandro Andrade (josessandro@hotmail.com)
Meu primo poeta Josessando:

Primeiro parabenizo-te pela organização e beleza do teu BLOG. Segundo parabenizo a todos que tiveram a elogiante idéia de criar a Academia de letras, ciência e artes do sertão do Moxotó, principalmete a ti, grande divulgador da cultura Sertaniense, talvez de todos os tempos, e, finalmente agradeço pelo mérito a mim atribuído, tornando-me membro efetivo da mesma.

"Sou apenas um minúsculo peixinho, deste oceano de poesia que é a nossa cidade."

Oh, minha terra querida
não me esqueço de ti!
És fonte da minha vida
se eu pudesse estava aí.

Minha mente te retrata
me ponho a te recordar
e a saudade me maltrata
me pedindo para voltar.

Teu céu é mais estrelado
teu sol é mais aquecedor
teu luar é mais prateado
teu solo é mais acolhedor.

As luzes dos teus pirilampos
parecem ser mais brilhantes
e os pássaros dos teus campos
parecem ser mais consonantes.

Recordo a minha morada
lá em cima de um monte.
Eu me sentava na calçada
e contemplava o horizonte.

Minha terra favorita
ninguém acredita cá,
mas és a terra mais bonita
de todas terras que há.

Fragmentos de :

MINHA TERRA NATAL

Um abraço poético;

Duval


VIVA DEUS LÁ NAS ALTURAS

DA MANSÃO CELESTIAL

GRANDE PAI UNIVERSAL

DE TODAS AS CRIATURAS

SEU NOME NAS ESCRITURAS

TEM AJUDADO MUITO A MIM

VI UM ANJO QUERUBIM

ESVOAÇANDO NOS ARES

NAS BRUMAS CREPUSCULARES

DE UM HORIZONTE SEM FIM


ADMASTOR PASSOS

(FUNCIONÁRIO APOSENTADO DA CELPE)



Um comentário:

Maninha disse...

Poetas cadê os comentários?
este espaço é aberto apenas aos poetas sertanienses?
Sabe que eu gosto muito do que você escreve, não?
Beijo grande